Presidente da CDL espera retomada urgente do comércio para evitar mais perdas, demissões e falências

Ultimas

A aplicação das medidas mais restritivas do plano Minas Consciente, programa criado pelo Governo de Minas Gerais para conter o avanço da pandemia da Covid-19, está causando prejuízos enormes aos setores de comércio e serviços no Estado. A estimativa é que no período de vigência da Onda Roxa, que vai de 18 de abril, as perdas ultrapassem a casa dos R$ 8,8 bilhões, conforme levantamento feito pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Minas Gerais (FCDL-MG).

De acordo com o presidente da Câmara de Diretores Lojistas (CDL) de Pará de Minas, Milton Ferreira de Oliveira, a situação do comércio lojista no município é cada vez mais grave, as perdas só aumentam e a expectativa é que haja uma flexibilização por parte do Governo Mineiro para o funcionamento normal do comércio já a partir da próxima segunda-feira, 19 de abril:

“A expectativa do lojista são boas porque, nós estamos caminhando para 30 dias de comércio fecha, 30 dias de onda roxa, é claro que em primeiro a gente tem que ver a saúde, mas a economia também é principal e esses 30 dias eu acredito que vai dar para o Governo do Estado saber se foi viável, se foi interessante ou não o fechamento do comércio. Na semana passada a CDL participou da live com o Governador e eu perguntei ao Governador qual foi o critério para criar o comercio essencial e o não essencial porque hoje estamos vendo o comércio essencial funcionando e o não essencial fechado e a cidade lotada, a gente vê movimento diário no nosso município, na nossa Pará de Minas e também no Estado. Ontem eu fui a Betim e percebi que está dando congestionamento na 262, então nós esperamos com muita ansiedade, com muito desespero também que nós estamos passando que no dia 18 o Governador com a sua assessoria, com o Comitê Estadual possa liberar a onda roxa e nós podemos sair para a onda vermelha para que nós possamos voltar a abrir. Nós não tínhamos nem consertado as nossas vidas com a parada há um ano atrás, veio essa segunda parada e eu falo o seguinte, muitos de nós estamos deitados, muitos estão caminhando agachados e poucos vão ficar em pé. Se o Governo Estadual não tomar uma medida diferente, que eu até sugeri através da nossa federação das CDLs do Estado que o Governo fizesse o seguinte, parte do dia ele funcionava o essencial e parte do dia o não essencial e criasse uma forma diferenciada, mais que os dois tipos de comércio teria que andar juntos, um dia um, um dia outro, isso também nos ajudaria, mas espero que a onda roxa acabe no dia 18 se Deus quiser”.

Na reunião realizada no dia 08 de abril, o Comitê Municipal de Enfrentamento ao Coronavírus em Pará de Minas confirmou as normas que prevalecerão no município durante a vigência da Onda Roxa, até o próximo domingo, 18 de abril. O distanciamento social continua, mas agora o comércio lojista recebeu autorização para retirada de mercadorias no balcão e recebimento de prestações, até às 20h. Após este horário, somente o serviço de delivery está sendo permitido.

Quanto aos supermercados e padarias, eles voltaram a funcionar até às 22h, mas o consumo de produtos nos estabelecimentos comerciais continua proibido. O toque de recolher deixou de existir e os encontros de natureza familiar estão liberados, desde que restritos e em obediência às normas do distanciamento social. Para as demais atividades empresariais não houve alterações, ou seja, continuam suspensas dentro do Plano Minas Consciente, que está regendo totalmente as decisões na Onda Roxa.

As macrorregiões de Saúde Norte, Sul, Sudeste e Jequitinhonha e as microrregiões de Betim, Belo Horizonte/Nova Lima/Caeté, Vespasiano, Contagem, Curvelo e Manhuaçu poderão avançar para a onda vermelha do plano Minas Consciente. A decisão foi tomada nesta quinta-feira, 15 de abril, pelo Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar a situação da pandemia no estado.

Com a decisão, metade das macrorregiões do Estado ficará na onda vermelha, enquanto a outra metade segue na onda roxa, a mais restritiva do plano, por pelo menos mais uma semana. Triângulo do Norte, Triângulo Sul e Noroeste, que já estavam na onda vermelha desde a última segunda-feira, 9 de abril, permanecem nesta fase. Diante desta decisão, o comércio lojista de Pará de Minas ficará fechado por pelo menos mais uma semana.