Saúde Pública continua monitorando suspeita de varíola dos macacos em Pará de Minas

Pará de Minas

Um caso suspeito de varíola dos macacos continua sendo monitorado em Pará de Minas, segundo informação da Secretaria Municipal de Saúde. Dados como sexo do paciente, idade e bairro onde ele reside não foram divulgados. De acordo com a pasta, o paciente apresentou erupções na pele e permanecerá em isolamento por 21 dias. O exame já foi colhido e encaminhado para a Funed, aguardando o laudo.
O secretário de Saúde, Wagner Magesty, tranquilizou a população, afirmando que não há motivo para alarde. No entanto, recomendou prevenção às pessoas porque a doença é de alta transmissibilidade.
Todas as unidades de saúde do município estão recebendo o protocolo de normas, divulgado pelo Ministério da Saúde. Há uma grande semelhança com o conteúdo de prevenção e tratamento da Covid-19.
A recomendação é que os profissionais de saúde fiquem atentos a qualquer suspeita. A percepção da varíola dos macacos se dá através de erupções cutâneas que aparecem nas extremidades do corpo: palmas das mãos, solas dos pés e, às vezes, nos órgãos genitais.
A doença é transmitida pelo contato com fluidos corporais, secreções respiratórias, lesões na pele ou mucosas de pessoas infectadas. Há também o risco de contaminação pela utilização de materiais infectados, como toalhas, roupas de cama e utensílios domésticos contaminados e/ou contato com animais infectados pelo vírus.
No Brasil já foram confirmados quase 1.400 casos. Já em Minas Gerais são 44, além de outros 142 em investigação. Algumas das situações em análise têm registro em cidades da região, como Nova Serrana e Bom Despacho. A Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece a doença como ameaça global, uma vez que ela já atingiu 75 países dos cinco continentes – América, Europa, Ásia, Oceania e África.