Boletim confirma Pará de Minas em segundo lugar de casos prováveis de dengue no Centro Oeste Mineiro

Ultimas

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) divulgou, no dia 5 de maio, o boletim epidemiológico com o acumulado do início de janeiro até o dia 2 da incidência do Aedes aegypti no Centro-Oeste. O levantamento apontou 1.256 casos prováveis de dengue na região, sendo 17 casos prováveis a menos que no boletim anterior, quando foram registrados 1.273. O mosquito é transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Adailton Antônio Moreira, gerente da Vigilância Ambiental deixou claro que a situação da dengue hoje em Pará de Minas é preocupante e mais uma vez pediu a colaboração da população para ajudar no combate ao mosquito transmissor da doença e com isso evitar que o município sofra com um surto ou até mesmo uma epidemia de dengue:

“A gente sabe que é preocupante esse momento que a gente vive tanto em Pará de Minas quanto no Estado de Minas. É importante ter os cuidados dentro das casas, eliminar água parada, bebedouros de animais, vasilhas de plantas, calhas d`água, a gente precisa que o morador ajude a prefeitura a combater o mosquito da dengue, a gente sabe que a responsabilidade é também do morador’.

Até o momento, nenhuma cidade da região registrou morte por dengue. Já foram confirmados 175 casos prováveis de chikungunya e um de zika nas cidades do Centro-Oeste.

Dengue

De acordo com o informe, os casos de dengue foram registrados em 37 cidades, sendo que Lagoa da Prata e Pará de Minas continuam liderando o ranking com maior número de casos prováveis em todo o Centro-Oeste. Nas cidades, até o momento, são 364 e 194 casos prováveis, respectivamente.

Minas Gerais registrou 17.549 casos prováveis (exceto os descartados) de dengue. Deste total, 6.774 casos foram confirmados.

Mortes

De acordo com o último boletim, não houve mortes por dengue confirmadas no Centro-Oeste. Foram confirmados três óbitos por dengue no Estado até o momento. Dois registros foram nas cidades de Frutal, no Triângulo Mineiro, e o outro não consta no boletim.

Chikungunya

De acordo com o boletim atual, o Centro-Oeste está com 269 casos prováveis de chikungunya. A cidade com maior número é Lagoa da Prata, são 248 registros.

Bom Despacho tem dois casos prováveis, Carmo do Cajuru tem um, Formiga tem 10 casos prováveis da doença. Itaúna, três casos prováveis, Moema, Nova Serrana, Pará de Minas, têm um caso provável cada e Santo Antônio do Monte tem dois.

Segundo o informe, em Minas Gerais foram registrados 3.408 casos prováveis da doença. Deste total, 2.562 foram confirmados. Não há óbito confirmado pela doença em nenhuma cidade do Estado, de acordo com o boletim.

Zika

Em relação aos casos prováveis de zika, o boletim do Estado apontou um registro em Itaúna, Lagoa da Prata e Santo Antônio do Monte. Em Minas, foram registrados 101 casos prováveis até o momento. Deste total, 13 foram confirmados. Não foram apontadas mortes por zika em Minas Gerais.